JUDICIAL BOND

Definição de alto nível de um vínculo judicial

 

  • A garantia judicial é aquela exigida pelos tribunais, a fim de garantir as custas de apelação, penhora e liminar de uma parte. Uma caução é apresentada ao tribunal como garantia.

  • A fiança judicial inclui obrigações especializadas, como fiduciário, remissão e apelação.

  • Fiança depositada por parte em ação judicial para indenizar a parte contrária, órgão judicial ou governamental, de qualquer prejuízo decorrente de mora ou depravação ocasionada no processo judicial. Em geral, todas as obrigações exigidas em processos judiciais são chamadas de obrigações judiciais.

 

 

 

 

  • Tipos de títulos judiciais

 

- Títulos judiciais podem ser divididos em duas categorias:

 

  1. Títulos do Réu

  2. Obrigações do Requerente

 

  • As obrigações do réu bloqueiam a ação do autor ou adiam o pagamento de uma sentença. Eles geralmente permitem que o réu recupere o controle da propriedade do concurso ou adie a execução de um decreto que afete os direitos de propriedade. Os tipos comuns de obrigações do réu são obrigações de fiança, obrigações de apelação, obrigações de Counter-Replevin e obrigações de liberação de gravame.

 

  • As fianças do autor são exigidas dos autores para garantir a proteção do réu caso o autor perca o processo. Eles responsabilizam o autor da ação por quaisquer danos sofridos pelo réu devido ao resultado do processo judicial. Os tipos comuns de obrigações do demandante são obrigações de apego, obrigações de reclamação e entrega, obrigações de indenização a Sheriff, obrigações de injunção e obrigações Replevin.

 

 

Como surgiram as Obrigações Judiciais no Mercado Brasileiro de Fianças

 

  • No Brasil, os juízes exigem que a parte réu em uma disputa judicial forneça garantia como forma de garantir sua capacidade de pagar eventuais indenizações. Historicamente, os tribunais / juízes aceitariam dinheiro, títulos do governo, outros ativos (a seu próprio critério) e garantias bancárias ou LCs.

  • O produto de seguro garantia já estava disponível na antiga norma da SUSEP denominada “Circular SUSEP nº 232, ano de 2003”, mas o produto não obteve aceitação na Justiça brasileira, pois não havia lei que o admitisse.

  • Além disso, o produto não surtia efeito e, portanto, não era aceito pelos juízes, pois não abrangia todo o contencioso judicial (a fiança tinha o direito de recusar a renovação da caução).

  • Em 2006, foi aprovada uma reforma dos procedimentos legais no Brasil e, de acordo com um dos artigos revisados, o seguro garantia passou a ser aceito como uma nova forma de garantia em litígios cíveis. Conseqüentemente, o código de contencioso civil colocou os tribunais / juízes em uma posição para aceitar garantias judiciais (como um produto de garantia) em disputas de direito civil.

  • Até 2009, a aceitação de seguro garantia pelos tribunais / juízes permanecia muito limitada, com o total de prêmios emitidos por ano não atingindo R $ 100 milhões. No entanto, nos 5 anos seguintes, a aceitação de produtos de seguro cresceu continuamente em relação ao ano anterior devido a uma variedade de decretos e diretrizes da SUSEP e da Federação Nacional de Seguros ajudando a regular os termos e condições da apólice. A partir de 2014, a constante atividade de lobby do setor de fiança e a aceitação de Títulos Judiciais pela PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional) proporcionaram o estímulo inicial para uma utilização mais ampla desse tipo de título. O prêmio anual subiu para R $ 800 milhões, para então crescer para mais de R $ 1 bilhão agora.

 

 

 

Para quais processos judiciais é utilizado principalmente no Brasil?

 

 

  • Tradicionalmente, distingue-se entre 3 categorias:

  • Imposto (80%): circulação de mercadorias, imposto de renda, contribuições sociais, imposto sobre serviços, entre outros (sistemas tributários complexos impulsionam a demanda por títulos)

  • Cíveis (14%): disputas regulatórias, multas e penalidades; Litígio entre as partes.

  • Trabalho (6%): disputas trabalhistas entre empregador e empregado.

  • Especificamente para impostos, o art. 9º da lei 6.830, foi alterada pelo mercado segurador e “Fiança Bancária ou Seguro Garantia” foi adicionado em substituição aos produtos já existentes para garantir um processo tributário

  • O produto pode ser utilizado sempre que o cliente precisar dar segurança em uma ação judicial, como na área tributária. Para que o contribuinte possa contestar a cobrança de um tributo perante os tribunais, é necessário antecipar o depósito de fiança em forma de Caução Judicial.

 

 

Isso também leva à diversificação do cenário de risco / composição de carteiras de risco

 

 

  • Indústrias que tradicionalmente não faziam parte de um cenário de risco de garantia agora podem ser exploradas, diversificando os riscos da construção e engenharia para outras indústrias não relacionadas.

  • Exemplo de carteira de fiança por indústrias (no total, 25 setores diferentes da indústria):

  • A distribuição típica em termos de exposições gerais pode ser (em um exemplo):

    • 27% do setor financeiro (principalmente bancos)

 

  • 10% de óleo e gás

 

  • 9% comida

 

  • 8% de celulose e papel

 

  • 7% de bebida, 7% de aço

 

  • 6% Varejo, 6% Telecom, 6% Bens de Consumo

 

  • 4% Farmacêuticos.

 

 

Oferta de produtos bancários substitutos - leva à diversificação do cenário de risco / composição das carteiras de fianças

 

 

  • As seguradoras têm acesso a indústrias e clientes que de outra forma (frequentemente) não precisam de nenhum título ou são atendidos por bancos alternativamente.

 

  • Efeitos de diversificação positivos devido a uma distribuição de risco mais ampla por setores e nomes (devedores).

 

  • Empresas que precisam de fiança judicial não são necessariamente os clientes habituais da fiança, mas podem ser 'novos' nomes para o setor

 

  • A atividade de sinistros não está correlacionada com os ciclos econômicos ou da indústria.

 

 

Dificuldades do produto e desafios

 

  • os títulos possuem características de garantias financeiras: abstratas, incondicionais, on demand, ausência de direito de objeção e defesa

  • prazo indefinido (a média ponderada dos prazos dos títulos é de cerca de 4 anos, no entanto, em teoria, o prazo é aberto, pois o título subjacente deve ser prolongado, desde que nenhuma decisão judicial definitiva esteja sendo tomada = renovações de apólice 'forçadas')

  • assunto em disputa é muitas vezes difícil de avaliar quanto ao seu resultado (frequentemente casos complexos) e, além disso, impactado pelo "fator humano", já que os juízes podem ter visões diferentes sobre o mesmo assunto - previsibilidade limitada

  • se os valores segurados são altos, os segurados costumam obter taxas com desconto (e os valores segurados costumam ser muito altos no Brasil, o maior que vi estava na faixa de BRL 4 bilhões)

  • seleção de risco contra a seguradora - os bancos podem ser tentados a transferir os riscos para o mercado de seguros, se eles próprios não se sentirem suficientemente confortáveis ​​ou tiverem alcançado agregações de risco de tamanho crítico

  • população de pequeno risco e, frequentemente, grandes somas seguradas juntamente com baixo EDF (frequência esperada de inadimplência) implicam alta volatilidade dos negócios; o risco de gravidade é proeminente, mas mitigado por uma seleção de risco rigorosa.

 

 

Critérios de subscrição / subscrição

 

  • Obrigação: perfil financeiro e capacidade de pagamento da dívida em litígio (liquidez) são pontos fundamentais do trabalho analítico e da avaliação de risco.

  • Em nossa opinião, este produto é adequado apenas para empresas de primeira linha.

  • Méritos da matéria em disputa: a força do caso do devedor / precedentes legais

  • Instrumentos de segurança, textos de contragarantia reforçados com lugar em cláusulas de fundos ou mesmo garantias colaterais / reais

  • Teor e complexidade da disputa subjacente

  • Taxas de prêmio - precisam ser adequadas ao risco (o que muitas vezes não é o caso, principalmente se o preço for comparado com o preço da garantia bancária)

 

 

 

Experiência em sinistros no Brasil

 

 

  • Não há evidências de quaisquer reivindicações maiores em Títulos Judiciais.

  • É conhecido do mercado um caso em que a importância segurada ficou na faixa de US $ 4 milhões. A perda diz respeito a uma empresa de médio porte do setor de mineração que havia perdido um julgamento civil em um contrato de venda. No entanto, existe um esquema de recuperação: a empresa inadimplente nos termos do título comprometeu-se com um plano de reembolso (o fato de a seguradora-garantia ter pago o sinistro mantém a boa imagem do produto).

  • Talvez este caso mostre que o produto Títulos Judiciais só deva ser usado por empresas de primeira linha, principalmente grandes empresas com atuação global e, portanto, agora vemos nomes que são novos no setor de fiança.

 

 

Experiência de Reivindicações

 

  • Caso contrário, a experiência de sinistros é muito boa. Como esse produto passou a ser tão procurado pelos clientes, o mercado entende que é pequena a probabilidade de um cliente entrar em inadimplência em um título judicial. Isso só aconteceria se a empresa não tivesse outra solução para apresentar. Por isso, estruturar uma carteira com diversos títulos com um cliente específico é tão importante.

  • Pelo que se ouve de outra forma no mercado, poucos casos (esporádicos) de sinistros ocorreram em títulos judiciais, mas nenhum de magnitude significativa (em termos de valor segurado).

  • Até o momento, há evidências de mercado muito limitadas sobre sinistros que não permitem tirar qualquer conclusão significativa quanto à probabilidade de sinistros e taxas de recuperação. Em minha opinião, a principal preocupação está relacionada a como a responsabilidade da seguradora sob uma fiança judicial é tratada se um sinistro ocorrer durante o curso de uma situação do capítulo 11. A este respeito, o processo de reestruturação financeira da Oi ainda em curso pode fornecer orientação e mais clareza sobre como os tribunais lidam com as reivindicações, se o contribuinte está em estado de insolvência e como as reivindicações fiscais são tratadas em termos de 'cascata' e antiguidade face a outras dívidas corporativas .

 

Conclusões

  • A nosso ver, as Obrigações Judiciais são um bom exemplo de um “novo” produto que está se tornando um importante contribuinte de prêmios após uma intensa atividade de lobby do setor de seguros (um produto oferecido apenas por bancos agora é oferecido por nosso setor).

  • O mercado atingiu um tamanho de cerca de US $ 300 milhões em prêmios e empresas de garantia ainda podem ver um potencial de crescimento futuro.

  • Embora a experiência com sinistros tenha sido muito boa no passado, este ainda é um produto com pouca história, pelo menos na indústria de garantias.

  • Atualmente nos deparamos com uma situação desafiadora com uma série de riscos brasileiros que se encontram em situação de crise financeira. Resta saber se algum desses nomes produzirá um número maior de reivindicações de Títulos Judiciais no futuro.

  • O que é fundamental, como é verdade para qualquer produto de seguro garantia, é uma subscrição diligente e profissional do risco relevante e estou feliz em anunciar que em um dos próximos seminários técnicos da PASA - pelo que entendi - este tópico ser apresentado em mais detalhes.

  • Espero que a perspectiva mais global apresentada sobre títulos judiciais no Brasil tenha sido de interesse.

 

 

ZKL Invest Ltd ™

+44 2039669088

20-22 Wenlock Road, Londres, Inglaterra, N1 7GU

Autoridade de conduta financeira ref. n ° 788143

Número da empresa 10894612

Capital social pago £ 3.300.000,00

Reserva Técnica £ 2.740.000,00

Código LEI FINANCEIRO 635400PKHMKEUZMQE865

© 2017-2020 - Desenvolvido por ZKL Invest Ltd ™ - Política de Privacidade